Saudações Mestre Zé Lopes e família é com  prazer e alegria que recebemos seus bonecos! Que delícia ver vocês.

TEATRO DE MAMULENGOS

O Mamulengo é brincado dentro de um palco que é chamado de: Barraca, Tolda, Empanada e às vezes de Tenda. Geralmente são construídas de madeira e revestidas com tecidos populares. Às vezes encontramos barracas com desenhos e dizeres do povo que são usados meramente como enfeites, sem muita preocupação com o conteúdo, como encontramos também, mamulengueiros brincando apenas como uma corda esticada e um pano pendurado.

Dentro da barraca brincam:

O MESTRE
é o responsável pelo brinquedo e é a figura mais importante.. Geralmente é o dono do brinquedo, criador dos bonecos e o do espetáculo, acumulando as funções de empresário, principal ator e manipulador.

O CONTRA MESTRE
é a segunda pessoa da brincadeira. Manipula alguns bonecos, cria mais de uma voz e dialoga com o Mestre sustentando o improviso. Em alguns casos é sobrepujado em importância pela figura do Mateus.

OS FOLGAZÔES OU AJUDANDES
sua função é a de manipular bonecos em cenas com muitos personagens, como brigas, e sobre tudo danças, quando fazem coro cantado junto com os estrumenteiros. Quase nunca falam

Do lado de fora da barraca brincam:

O MATEUS
personagem muito importante para o mamulengo e que foi assimilado do Bumba-Meu-Boi. O Mateus é uma espécie de Corifeu da Tragédia Grega. Sua função é a de interlocutor entre o mundo figurado dos bonecos e o mundo real do público. Deve ser ágio, engraçado, versejador e ter muito senso e prática na arte do improviso.

OS INSTRUMENTISTAS
entre os mamulengueiros são chamados de “instrumenteiros”, “batuqueiros” ou “tocadores”. Os instrumentos mais usados são sanfona de oito baixos, triangulo, ganzá e zabumba. A música é um elemento de vital importância para o brinquedo do mamulengo. Na música e na dança repousa quase toda a estrutura dramática do brinquedo. A participação dos músicos nas cenas de danças, de brigas, nas cantorias etc., determinam muitas vezes o ritmo e o clima do espetáculo. De acordo com a qualidade dos instrumentistas o espetáculo cresce em participação. A música é executada ao vivo e muitas vezes criada de improviso em cima da cena que está sendo apresentada.

O PÚBLICO ou PLATÉIA
é sem duvida o elemento mais importante para qualquer tipo de atividade artística, pois é para o público que são criados, preparados e apresentados os espetáculos. No caso do Mamulengo, o público se constitui um elemento vivo, ativo e participante durante toda brincadeira. Sem a participação do público não pode haver brincadeira, e, se houver, nunca será completa.

O Mamulengo nos transporta para um mundo onde o fantástico se torna cotidiano e o cotidiano se torna fantástico. Para tentar compreendê-lo temos que penetrar no seu universo, partindo do boneco como simples objeto plástico, como escultura, até o momento em que ele perde a natureza de simples pedaço de madeira esculpido, para transformar-se em ser vivo, dramático, animado, a quem o mamulengueiro empresta alma, e, conseqüentemente, vida.

É fantástico o processo de criação do mamulengo, desde a transformação de um simples pedaço de madeira no boneco como elemento plástico, até ele adquirir vida durante a brincadeira. Porque nisso tudo, entra a coisa mais bela que existe – o poder de criação que acompanha o ser humano desde sua existência na Terra.
É uma pena que esse incrível teatro popular, como tantos outros brinquedos da nossa cultura, já estejam fadado ao desaparecimento e conseqüentemente à extinção.
Vivemos num país onde não se preserva a cultura popular. Onde essa cultura está dia a dia deixando de ser “a brincadeira do Povo”, para transforma-se em folclore e mero elemento de especulação turística.
Sabemos que a evolução de um povo depende do quanto ele saiba preservar seus costumes, sua ciência, sua arte, sua cultura. A cultura evolui, adquire novos elementos, mais conserva sua essência, sua alma, que lhe dá marca registrada e resguarda-a das imitações, falsificações…

Tanto o Mamulengo como outros folguedos do nosso povo, estão sofrendo muito com essa tentativa de massificação da cultura que está sendo implementada pelos meios de comunicação de massa.
Em nome da “cultura” estão destruindo nossos brinquedos e abrindo espaço, por exemplo para a televisão, mau manipulada por elementos totalmente inescrupulosos que usam sua força para deseducar e para impor na população a rebeldia desenfreada, o consumismo, que conseqüentemente leva ao conformismo e ao obscurantismo, posto que aos ricos apresenta soluções, aos médios possíveis soluções e aos pobres apenas o desejo de realizações impossíveis dentro da nossa sociedade infeliz e católica.

Nossos folguedos são como nossos índios, que se retirados das matas, adoecem, morrem, desaparecem. Nossos brinquedos são do povo, para serem brincados no meio do povo. São o lazer, a alegria e a vida desse povo. Para preserva-los e fortifica-los devemos deixa-los livres e contribuir para essa liberdade.
O Mamulengo é um brinquedo do povo feito para o próprio povo. Onde “a matéria do homem junta-se à matéria do boneco para uma transfiguração. A alma do homem dá ao boneco também uma alma. E, nesta pureza realizam um ato poético.”*

fonte : sítio do Valdek Garanhuns